Como fazer a adequação ao IFRS ?
18/03/2011 às 3:33 pm


Mas o que é o IFRS e quando é necessário?

As vantagens na Adequação ao IFRS

Uma grande dúvida que há decorrente ao IFRS, e a necessidade de fazer sua adequação. Mas primeiramente, o que é o IFRS?
A sigla IFRS é derivada da língua inglesa, e em seu idioma nativo é denominado: “Internation Financial Reporting Standards”, que pode ser traduzido de forma explicativa como um padrão internacional para relatórios de finanças.

Basicamente o IFRS é o conjunto de normas que seguem um padrão internacional que tem por objetivo garantir uma metodologia que possa ser entendida de forma mais clara, facilitando desta forma a análise do empreendimento em âmbito mundial.

Fica claro desta forma o papel da adequação ao IFRS por parte das empresas, pois garante grandes vantagens até mesmo para comprovar o real valor do empreendimento, facilitando assim acordos que visam até mesmo capital estrangeiro.

Porém, fica ainda a dúvida, esta adequação ao IFRS é obrigatória? Quando a mesma deve ser implementada?

Seguindo todos os parágrafos da lei 11.638/07, temos descrito a necessidade que os empreendimentos tem em apresentar o balanço patrimonial juntamente com as demonstrações contábeis de 2010 a partir de 2011. Assim como foi feito no ano de 2009, é necessário ressaltar que as empresas devem estar de acordo com as normas contábeis, singelamente pela necessidade de seguir a mesma metodologia de demonstração do ano decorrente com as mesmas características e padrões.

Em suma, a adequação ao IFRS é algo significativo ao setor, e deve ser implantando o mais rápido possível, afim de garantir um empreendimento moderno, de acordo com as normas e atualizado. Todo este processo de adequação ao IFRS o quanto antes é uma excelente prática de controle e gestão patrimonial.

Quais empresas devem fazer a adequação ao IFRS e como fazê-lo?

Todas as empresas que se enquadram dentro da lei 11.638/07 devem optar pela adequação ao IFRS o quanto antes. Pois além da comodidade em fazer a migração de forma objetiva e com prazos suaves, há um conjunto de vantagens nesta adequação.

O ganho com transparência é um dos principais pontos na adequação ao IFRS, que é seguido também pelo custo de oportunidade garantido pela maior facilidade no processo de fusões ou aquisições. Caso o empreendimento tenha interesse em captação de capital estrangeiro, a adequação ao IFRS é imprescindível, sendo este até mesmo uma exigência para conquista de crédito em âmbito nacional. Há ainda diversas outras vantagens, como a eficácia no desenvolvimento das demonstrações contábeis, a possibilidade de diminuição do imposto de renda, a otimização dos processos minimizando a necessidade de ajustes no balanço comercial, entre outros.

A melhor forma de se adequar perante ao IFRS é contratando uma empresa especializada em gestão patrimonial. Devido ao grande “know how” destes empreendimentos, o tempo de adequações nas demonstrações contábeis e o possível ganho futuro com imposto de renda ou custo de oportunidade muitas as vezes pagam o investimento, sendo muito viáveis.

O que muda com a adequação do IFRS ?

Só tem uma saída! Adequação ao IFRS

De forma sucinta, é necessário ressaltar apenas uma característica que desenvolve bem a idéia além da oportunidade da adequação ao IFRS. A principal das características é a possibilidade de determinar o tempo de vida do ativo de acordo com suas particularidades. O reflexo dessa mudança é muito viável aos empreendimentos que podem classificar de forma explícita e sucinta o tipo do ativo, garantindo o correto controle patrimonial. É interessante destacar que empresas maiores que possuem um grande volume de ativo, são ainda mais beneficiadas, pois devido a grande escala de seus bens há possibilidade de grandes reduções no imposto de renda.


1 Comentário

  1. Eduardo Ribeiro disse:

    Boa tarde senhores,
    Interessante essas matérias do Site.
    Bem, sou Eduardo Ribeiro, trabalho em uma instituição Filantrópica e meu cargo é Assistente de Patrimônio, estou dando início ao Inventario Físco do Imobilizado mas estou com uma certa dificuldade na questão da vida útil desses bens, pois muitos dos bens não tem mais valor para contabilidade e fica difícil de fazer a conciliação Física X Contábil.
    Gostaria se possível de uma ajuda dos senhores com relação a isso.

Deixe o seu comentário!